quarta-feira, agosto 30, 2017

A porra dos livros

As premissas: desenhar princesas e dragões para meninas e aventuras e ciência para meninos é parvo. Um autor - ou uma empresa - devem poder publicar o que entendem.

A história, vista daqui:
Primeiro acto: Diz-se que o livro das meninas toma-as por burras, baseado num jpeg com 2 páginas. As pessoas confundem tudo.
Segundo acto: O RAP faz uma análise cómica de 4 páginas do livro onde desmonta a ideia dos níveis de dificuldade diferentes. As pessoas confundem ter piada e ter razão.
Terceiro acto: Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género publica um parecer que tem muitos pontos. As pessoas não os lêem. As pessoas confundem um parecer com uma tentativa de censura.
Segunda parte do Terceito Acto: A Porto Editora retira os livros do mercado. As pessoas confundem isto com censura. Outras pessoas acham que não chega o livro sair do mercado.
Quarto acto: Prezado lê o parecer da comissão que sabe mais que ele sobre descriminação de género e as ultimas linhas são assim:

Eu sei que é pouco espetacular para um jpeg, mas é o que retiro de 5 dias de gritaria em todas as direcções no facebook (porque no mundo real ninguém debateu isto mais que 1 minuto).

domingo, agosto 20, 2017

Almoço de família

De uma vez descubro o que é o piewdipie, o d4rkframe, o despacito e a falta de paciência para youtubers. 

quarta-feira, agosto 16, 2017

As mulheres grávidas, por exemplo, ficam malucas

Poucas pessoas são politicamente correctas. Eu conheço poucas. Quem anda aí a queixar-se do excesso de "policamente correcto" e usa o termo como acusação, deve ter a noção que está a meter-se no lugar de um coninhas e que brevemente vai perceber como as pessoas não são politicamente correctas. Não tenham medo, nunca houve tanto espaço para tanta opinião como agora e assim é mais fácil de resolver o problema.

sábado, agosto 05, 2017

Politicamente incorrecto

O padrão que encontro nas pessoas que são politicamente incorrectas e ainda reclamam serem perseguidas pelas suas opiniões geniais é todas serem burras.

sexta-feira, julho 28, 2017

Política e genética

Num grande grupo de amigos com quem passava férias no Algarve na adolescência, havia um que sempre achei uma besta. Nisso distinguia-se de todos os putos estúpidos que nós éramos por uma margem generosa. Hoje é do PNR.