quinta-feira, Abril 24, 2014

Como ficar rico em 2 passos

Nos States fui, no engano, a uma palestra de Marketing que afinal era uma venda de banha da cobra. A formula do sucesso estava num só livro, inteligentemente condensado e fácil de encontrar em qualquer livraria. Enquanto ouvia o homem a debitar exemplos em que o método dele funcionava infalivelmente e esquecendo-se de referir a quantidade de vezes que falhou, - pelo meio dizia umas coisas acertadas mas de uma forma tão histriónica que era impossível um português normal não se sentir mal - pensava naqueles gajos que batem punho e como o segredo para, seja qual for, sucesso, felicidade, dinheiro, fama, só é usado pelos próprios de maneira tangencial.Assim como um vidente nunca adivinha os numeros do totoloto para si próprio - há um código moral rigido entre videntes e mediuns, provavelmente são policiados por espiritos - quem nos ensina a ficar rico só o conseguiu à conta de vender a banha da cobra que ensina a ficar rico. É um catch 22, reparei agora.
Lembrei-me disto porque tenho gente a encher-me o facebook de dicas para ser mais produtivo. O dia todo. 

sábado, Abril 19, 2014

Dar ideias é mau

Tarde com amigos e sobrinhos emprestados.
Altura do tio Prezado dar cabo da educação dos pais e de pré-concepções básicas a putos de 4 anos. A idade dos porquês não mete medo a ninguém e aproveito para criar ainda mais porquês. Uma tarde com os putos dá para perceber porque é que o babyTV só tem borboletas a andar muito lentamente e a dizer olá. Ir apanhar um Ferry, que aparentemente parece linear, pode ser algo bastante confuso. Para ajudar, deixo a dica: a cada perguntam, introduzam mais uma variável na resposta.
Sim, vamos apanhar um barco. Mas, o barco leva carros. Carros dentro de um barco? sim. Aliás, até podemos ir dentro do carro dentro do barco. Puf.
A partir daqui o cérebro dos putos funde. A realidade já não tem alicerces e depois de à pergunta seguinte eu acrescentar como funciona um submarino, os pais já não têm como agarrar os putos. Dar ideias aos putos é como dar-lhes cavalo ( a ressaca é finalmente dormirem no carro ).
Agora que chego a casa, depois de autocarros, ferrys, carros, cadeiras, cafés e as perguntas dos putos, tenho de ir bater uma sorna para conseguir ir sair. Um dia de trabalho cansa-me menos.

quinta-feira, Abril 17, 2014

Discussão em progresso

Uma discussão recorrente, mantém-se há uns meses, é se há uma tipologia de cérebro certa para alguma actividade intelectual específica ou se a partir de certo nível - leia-se acima da burrice - , tudo é igual e toda a gente tem uma capacidade inata de fazer qualquer operação. Diz-me a observação e a experiência que toda a gente é capaz de fazer tudo - acima da burrice - e que a incapacidade de fazer tudo pertence ao campo da mania, a qual sei que se pode dobrar e vencer. Se um tipo quer, um tipo pode.
Mas, deve haver manias que são muito profundas porque apesar de saber perfeitamente que isto de não conseguir fazer algo só pode ser uma imposição do cérebro enquanto orgão preguiçoso de procurar soluções novas, há actividades que este se recusa a resolver atempadamente, por mais teimoso que eu seja.
Isto tudo para dizer que sou uma besta no Excel.

quarta-feira, Abril 16, 2014

Mais um

O PPC faz 8 anos.

Neste ultimo ano foi complicado manter o blog. Os blogs, como media online, são antigos. Seguimos blogs para notícias ou debates, hobbies, mas os blogs pessoais estão a morrer.
Hoje a atenção dissipa-se - tanto para quem escreve como quem lê - em meios diferentes. Em 2006 a persona-online estava só no blog. Era a unica plataforma de expressão online. Ainda nesse ano apareceu o Twitter. Que reclamou um espaço. Não serve para bloggar, mas faz sentido para notícias. Depois o Facebook começou a tirar tempo e atenção a todos, depois o Flickr, depois fomos para os telemóveis, o Instagram, depois o Snapchat, depois milhões de apps diferentes para partilhar receitas, fotos de gatinhos, receitas com fotos de gatinhos, receitas com gatinhos. E agora segue-se a internet of things e se calhar volta tudo ao início.
Agora a história que se conta online está dispersa por estes meios todos e os blogs são um meio anacrónico, arcaico, pesado, um meio já a puxar para o literário. Só pessoas obstinadas é que podem ter um blog nestes dias. É ser casmurro, insistir nisto.
Siga.

terça-feira, Abril 15, 2014

Síndroma de Estocolmo

Fui ao tasco à espera de ser bem atendido e o gajo não respondeu "você não quer isso, coma antes o ensopado de borrego, que está daqui." ( gesto da mão na orelha ) e deu-me o que pedi.
Granda bosta de serviço.