quinta-feira, Novembro 20, 2014

Soa-me tudo ao mesmo II

A mamã quer ser mulher
O papá toma aspirina
O banzé que o gato fez
Na cabeça da menina

Tira o chapéu à entrada
O menino bate o pé
O tio Zé faz papada
chinelo na tromba, bebé

Pedante comercial
musica de fachada
Não fica no ouvido
Quando não rima.

Falo à grande
a fala de patrão
frases perfeitas
feitas de raspão


Nota: Não posso perder mais tempo útil da minha vida com albuns deste gajo: são sempre cantados com falta de ar e as letras têm sempre a mesma construção, que é uma entremeada de frase banal com frase de subentendido com a frase banal sempre com um jogo de palavras, paranomásias, aliterações e assonâncias. E quem ouvir Fachada confirme isto, que é óbvio.


quarta-feira, Novembro 19, 2014

Ouvi B Fachada e lembrei-me I


Estou a pensar sei lá
Perdi a cabeça vá
Tomei a parte pelo todo
Vi tudo passar, tá

Comi presunto por bom
Cantei fora de tom
Tomei a parte pelo todo
Não percebo de som

Pequei na guitarra pequei
Quando pediram larguei
Tomei a parte pelo todo
Devia ser contra a lei

Fui à feira de chinelos
Comi sopa de Alfornelos
Tomei a parte pelo todo
Nunca fiz versos tão belos
Mas a minha mãe diz que não.

terça-feira, Novembro 18, 2014

Não, isto não muda nada.

A coisa mais medieval que vejo na televisão neste momento são aqueles planos de pessoas de boca aberta que entremeiam todas as actuações naqueles programas tipo chuva de estrelas e afins ( sim, referência com 20 anos, eu sei ). São a actualização da gargalhada enlatada, mas para todas as situações possíveis.

António Zambujo, B Fachada, Luisa Sobral:

Expliquem-me como é que a voz de corneta passou a ser bem vista? Parece que estão sempre com uma insuficiência polmunar.

segunda-feira, Novembro 17, 2014

Comissão de inquérito

Tomando como referência todas as comissões de inquérito e a sua função primordial de encontrar culpados mas dissipar a culpa até que não se possa atribui-la a ninguém, ver que a comissão de inquérito para o BES vai ser a maior de sempre e que já prevêem que vai demorar meses em trabalho, já estou a ver a quantidade de conclusões a que vão chegar.


Corrupção, the drug of a nation.

sábado, Novembro 15, 2014

O Natal é assim, diz a Worten

A Worten lançou o seu anúncio de Natal. Habituada a vender tablets, telemóveis e máquinas fotográficas de todos os feitios a toda a gente, este ano deve ter tido uma surpresa enorme quando o pessoal do marketing descobriu que o seu público deixou de ser toda a gente e tinha passado a ser a marca de eleição dentro de um fenómeno fruto das políticas do governo: A fuga de cérebros.




A Worten sabe que o Natal é sobre ligar as pessoas e torná-las mais próximas, como a nokia. E este ano resolveu fazê-lo ligando um família a que vou chamar de Família Vasconcelos de Sá. Cientes do novo target, - gostava de ver os estudos de mercado que indicaram isto, a sério - escolheram uma família perfeita(mente) queque. O piano delicodoce que me começa a encher um bocado a paciência acompanha o filme do princípio ao fim porque sem ele a realidade das imagens ia mostrar uma felicidade absoluta, sem espaço para a saudade, para a distância. A criança feliz brinca com a mãe numa casa de revista que podia ser nas Avenidas Novas de Lisboa ou em Cascais, mas não: Há lá pelo meio um plano com neve imaculada lá fora. Só pode ser um país mais a norte. O marido está no trabalho ( só pode ser engenheiro, com uma casa destas no norte da Europa ou da América ). Depois vamos descobrindo os seus pais, que ficaram para trás. Não sei se sentem que ficaram para trás. Mas não conseguimos descobrir onde ficaram.  Nada parece Portugal. A avó Vasconcelos de Sá lembra a neta enquanto toca piano, o avô Vasconcelos montou a árvore de Natal na sala com a janela panoramica a dar para o mar e para a piscina. "Está imenso frio aqui", diz a filha, lá no norte, enquanto os pais se banham na piscina. Aqui finalmente percebi que não estão em Portugal. Isto é quente mas não é o Rio de Janeiro. Pela arquitectura, diria que estão em Malibu. Ou então isto é só uma história de saudade dentro uma família rica, mas não o suficiente para ajudar a filha a não ter de emigrar, contada em Agosto.