quinta-feira, julho 02, 2015

Os diálogos da prancha

- Não, não vás nessa!
- Deixa, tenho de ir, o mar chama-me, tu não o ouves.
- Meu, és maluco, o mar tá impossível hoje!
- Tenho de ir, se não for eu não vai mais ninguém. Uma onda não o chega a ser se não for surfada.
- foda-se meu, queria ter essa vontade.
- Não é para todos. Mas acredita em ti e consegues.
- Vou tentar.
- Não tentes, faz. É só ir. Mas tens de acreditar. Se vais a pensar que não consegues, não dá mesmo.
- Ya, é isso.

O pior do surf é que há uma confusão na cabeça de muitos surfistas: uma ideia estranha de que uma actividade física, um hobbie, um desporto, pode preceder uma filosofia de vida obrigatoriamente, um só tipo de pensamento, até originar uma espécie de superioridade moral que chega a dar-lhes a ideia que adultos cumprimentarem-se com gestos à tarataruga ninja pode ser cool. Não é.

segunda-feira, junho 29, 2015


Não cheguei a falar disto: Barcelona parece muito grande porque é plana e ortogonal. Se fizessem o mesmo com Lisboa, estendia-se até Sintra. Tinhamos mais vantagens: Os Tuc tucs andavam mais rápido, e tinhamos lojas de recuerdos até ao Cacém.

A natureza humana


Basta ver as notícias e percebe-se que o problema é toda a gente querer que a Grécia/União Europeia falhe.

quinta-feira, junho 25, 2015

Pausa

Troquei Lisboa por Barcelona por uns dias. Pareceram 15. A idade faz com que as actividades consideradas normais ( tapas, copos, noitadas ) sejam um trabalho a tempo inteiro no que toca a esforço. Mais: apesar de apenas uma hora de diferença em relação a Lisboa, a diferença de hábitos, as tapas que se comem a qualquer hora, os copos a dias de semana, tudo somado, fizeram com que durante uns dias vivesse num fuso alternativo, algures entre Greenwich e Reykjavik, e chegasse a Lisboa com saudades do meu sofá, de sopa e água das pedras.

Dica: Quando um hotel é barato, a piscina devia ficar escrita entre aspas.

segunda-feira, junho 01, 2015

Eu, dono de uma bicicleta em Lisboa, me confesso

Sim, passei vermelhos.
E subi ao passeio para não parar sem passar os vermelhos.
Andei pelos passeios para não andar mais um bocado a subir e descer Lisboa respeitandos os sentidos obrigatórios.
Já quase fiquei dabaixo de 3 autocarros e evitei 12 portas de carro na tromba. Também já quase malhei 27 vezes a passar linhas de elétrico, passadeiras e grelhas do esgoto. O facto de nunca ter malhado prova 3 coisas: ando pouco, com medo e tenho uma sorte do catano.
Já não uso a bicicleta - ainda bem que não comprei uma com preços de 4 algarismos que me fizesse pertencer à tribo dos Commuters que acham que ter uma bicicleta que dobra em 3 é pertencer a um movimento revolucionário - e não me sinto culpado: andar de bicicleta em Lisboa só é bom à beira-rio.

quinta-feira, maio 28, 2015

Portugal dos pequeninos

Resistência à mudança é o produto nacional.
É o que andamos a vender.
Sardinhas. Em salmoura, azeite ou vinagre. Enlatadas.
Tuc Tucs.
Moteis Vintage.
Restaurantes Vintage.
Comida Vintage.
Vinhos Vintage. ( Esses são bons. )
Bolo do Caco.
Hamburguers.
Sabonetes.
Azeite.
Casas em Alfama.
Moteis em Alfama.
Cortiça.
Socas Vintage.
Pasteis de Nata de Sardinha.
E tudo em forma de iman de frígorifico.
Vendemos o tempo parado a turistas vindos de países modernaços que nos acham cómicos na nossa inocência.
Só consigo ver Portugal alcatifado.
Estão a estragar isto tudo.