quinta-feira, junho 28, 2018

Isto não está abandonado

No dia em que soube que a Pastelaria Suiça vai fechar, tenho de pensar em São Francisco. Há tempos, numa cidade que tem uma falta crónica de casas, um laundromat - uma lavandaria - chega às notícias porque é proposto que seja tido como de interesse histórico para impedir a construção de um prédio de habitação. Só consigo entender o valor estético do laundromat. Fica bem em filmes americanos, tem uma luz interessante, espaços para diálogos mais intimos e honestos dos que um bar ou um elevador oferecem. Ninguém está a beber, há um tempo para gastar, tudo está à vista: as pessoas e a sua roupa suja. Encontram-se as outras pessoas do prédio, da vizinhança.
A pastelaria Suiça é mais antiga e interessante que o laundromat mas, parece, tem o carisma de um pneu. Fim.

terça-feira, maio 15, 2018

Ando distraído com isto

Estava a ver as notícias vindas de Israel, da Palestina, onde não se passa nada
- a grande novidade é ter um presidente americano que (é burro e) tem o apoio de evangélicos (que por acaso são anti-semitas e têm a certeza que o papa é o anticristo) e que vêem a inauguração da embaixada em Jerusalem (decidida unilateralmente do acima referido burro) como um sinal (positivo) da proximidade do arrebatamento e da segunda vinda de Cristo (para alguns) (judeus não incluidos) - de novo.
Estava a lembrar-me do meu pai e dos debates à mesa do jantar e dos argumentos que ele apresentava nos anos 80 e de como era díficil apoiar um lado deste debate incondicionalmente. Passados 30 anos da primeira intifada, os argumentos, por mais internet, twitter, videos e fotografias que os acompanhem, não mudaram nada.

segunda-feira, março 26, 2018

Vão para o trabalho

Os artistas chateiam-me mais e mais. É da idade e do trabalho. A idade tira-me paciência para aturar gente que não se esforça, o trabalho tira-me paciência para aturar gente que me faz trabalhar. Por exemplo, o Markl fez uma série que lhe deu bastante trabalho e está muito feliz com ela, pelo que leio. Eu dei-me ao trabalho de ver 2 episódios e bastou-me. Não tenho de me dar mais ao trabalho, aquilo é fraquinho. O tempo que perdi a trabalhar a minha falta de paciência para diálogos americanizados e maus actores cansou-me. Para me cansar, o que é que já tenho? Trabalho, exacto.
- ah, mas queres consumir sem esforço?
Quero. Uma série de tv sobre eletrodomésticos, a infância do Markl e LP's não pode estar à espera que me canse com ela. Para isso tenho as notícias.

quinta-feira, março 22, 2018

O mito da estupidez bondosa

Humanos que acreditam numa conspiração maquiavélica da industria farmaceutica mas não acreditam na conspiração maquiavélica dos homeopatas, hosteopatas, naturopatas, acupuntores e todo o pessoal do género - os piores são aqueles que dizem "mas também sou enfermeiro, as duas medicinas são compatíveis" -  a vossa confiança nestes profissionais é fascinante.
Nunca pensei viver tempo suficiente para voltar à idade média de forma voluntária, sempre achei que ia haver um cataclismo que nos obrigaria a isso.

sexta-feira, março 02, 2018

Se calhar não sou eu, mas

Ando um bocado cansado de ouvir os outros. Os outros são o inferno, como disse o outro num adágio conhecido. Já se sabe. Os outros andam a ver se me cansam, comportando-se da forma típica que as pessoas que não são eu se comportam. Têm demasiadas opiniões que não a minha, comportam-se de forma pouco minha, dizem-me coisas que eu não diria, pedem-me coisas que eu não pediria. Pior que tudo, os outros não só são muitos, são todos.