quinta-feira, Setembro 18, 2014

Aquela discussão sobre a cópia privada

Há dias, vi o Prós e Contras, provavelmente a unica vez nos ultimos 3 anos. Geralmente é uma perda de tempo: tem a Fátima Campos Ferreira, que pertence ao género de pessoas-que-sabem-ler-mas-nunca-parece, um género onde é omnipresente e que em Portugal é ocupado por peças como o João César das Neves ou o presidente do ACP.
Só assisti ao debate por 2 razões: Domino o tema e detesto o Prós e Contras; acho que a lei está assente numa premissa errada.

O tema tem visibilidade porque os poucos que querem intervir politicamente no país fazem-no na blogosfera. Em Portugal o Twitter só é usado por boys. Foram eles que deram a cara no debate, frente aos artistas ( todos velha guarda ) e à SPA. Assistir a este debate permitiu-me confirmar algo que já suspeitava - provavelmente isto é preconceito, à conta da apresentadora - há algum tempo: se extrapolar o que ouvi sobre internet, copia e consumo digital a todos os temas que passam pelo P&C, ninguém sabe do que anda a falar e o programa não tem interesse nenhum. Perdi umas horas da minha vida mas confirmei isto, posso voltar a não ver televisão de encher-chouriço como é habitual.

O argumento batido e primário "se pago uma taxa por usar um disco que pode ser usado para ter musica pirateada, então devia ir preso por homicidio por comprar uma faca" mistura 2 assuntos mas continua a ser válido, de tão mal amanhado que é o projecto de lei, uma proposta que admitiram datada por não ter sido aprovada em tempo útil e adiada pelo governo. Novamente, extrapolando o que se passou com este projecto de lei, fico com a ideia que temos legislação em barda para 98, mas nada para 2014. Ainda assim segue, datada, assente numa premissa que é cada vez mais errada, e numa altura em que, graças aos serviços online que ignoraram completamente no debate, as vendas de musica sobem, ao fim de anos de queda contínua.

Sobre coisas sérias

Nestes ultimos meses, tenho vindo a trabalhar numa empresa ( também ) minha. O que tem sido uma aventura em vários aspectos, mas essencialmente uma escola. Trabalhar com pessoal com metade da minha idade e com caminhos - apesar de curtos - bem diferentes e com pessoal da minha idade e caminhos bem compridos e diferentes é um abre-olhos que me permite ainda ter mais a mania que sei tudo. Felizmente não uso esse conhecimento no trabalho, senão era mesmo chato. Por outro lado, não vou deixar de ser o palhaço de serviço tão cedo.

domingo, Setembro 14, 2014

Taxismo da semana

Falar do tempo é normalmente a maneira de iniciar a conversa. Mas normalmente não levam tão pouco tempo para mudar o tema  da conversa para a invasão angolana que vai transformar Portugal no Brazil em 5 anos.
Ele avisou, os angolanos andam a comprar tudo. Daqui a uns anos isto vai ser como em Moçambique, com os retornados, e os portugueses vão ter de sair do país. ( Há aqui uma regra: sempre que um taxista fala em retornados, uma boca racista surge nos 7 segundos seguintes ).
Aparentemente, vivo numa bolha, onde não tomo atenção aos sinais: os angolanos andam a comprar tudo e a substituir os empregados brancos por pretos - salvo em restaurantes, onde os portugueses não gostam de ter pretos a mexer na comida - e um dia destes não há emprego para brancos.

- ... Mas isso não vai levar ainda uns anos bons?
- Na, eles andam a comprar tudo. Olhe a Expo.

Mas a culpa é dos patrões. Os patrões, essa classe profissional, tem financiamento gratuito nas empresas, confirmou-me. Por isso é que vendem tudo por tuta e meia aos angolanos.








Depois vi a admiração por um inimigo valeroso. Os angolanos compram tudo mas não são burros, fazem dinheiro. Compram restaurantes, que são o melhor negócio do mundo, mas não compram taxis, lamenta. ah, porca miséria. Só investem em coisas que interessam. Um império angolano de taxistas racistas ( ou pretos, melhor ainda ) a tomar conta de Lisboa pode não acontecer.

- Eles estão todos a vir para cá. Eu já deixei de fazer serviços no aeroporto por causa deles. Tá a ver, o Ébola.
- O Ébola?
- Pois está a ver, o Ébola não tem sintomas. Os gajos pegam aquilo, e como a classe média e média baixa anda a fazer umas poupanças, compram o bilhete e vêm para cá, porque lá não há hospitais.
- ah. Isso pega-se fácil, é?

E isto são 17 minutos de viagem.

Quando dizem que em Portugal não há racismo, não é bem verdade. Aliás, é uma tanga gigantesca. Só não o debatemos. Os portugueses não gostam de debater nada.

terça-feira, Setembro 09, 2014

Eu sabia

Turistas. Mais que as mães. Saem de todos os buracos. Qualquer buraco com mais de 30 anos é um buraco antigo. Compram postais do buraco. Bonecos do buraco. Selfies do buraco. Selfies do buraco com o selfie-stick. Jantar à beira do buraco. Esplanada cheia. Tudo com fila, os monumentos com fila, as lojas com fila, as ruas com fila. Consumir tudo até à exaustão. O turismo é o mais parecido que os humanos arranjaram com a migração da formiga vermelha.

sábado, Setembro 06, 2014

Prego

Primeiras impressões de Itália: finalmente um país onde há bicas decentes.

sexta-feira, Setembro 05, 2014

Armadilhas para turistas

A ideia é viajar. A ideia de ser turista, nem por isso.

 Se viajar pode ser como desenhar, ser turista é ler bd's velhas. Desenhar é ver às coisas à minha maneira. Parte-se de um papel em branco e segue-se.
Andar a ler é ter mapas e guias. Quando a ideia é viajar, isto mata a ideia de descobrir um sítio novo. A ideia do caminho certo não tem jeito, digo eu. Andar de um lado para o outro com certezas é o que fazemos todos os dias. Perder o caminho é perder o fio à meada. O que tem piada é refazer a meada e pelo caminho, entrar num buraco qualquer que nunca se viu e que provavelmente nunca mais se vai voltar a ver.

Há uns anos, fui a Amesterdão com metade de um mapa. A impressora deu-mo assim. Tinha o local do hotel, mas não tinha as ruas que chegavam até ele. Só sabia que era para Norte de outro sítio.

Amanhã vou desenhar para uma cidade nova mas quando chegar lá já imagino o que me vão oferecer: BD's velhas. O Turismo é isto, uma praga, não nos deixa desenhar, já vem tudo mastigado e digerido, as histórias são sempre iguais, umas tretas que o turista de chinelos e meia gosta de ouvir, tudo menos que genuino, só a espuma da cerveja, só o lado certo da noite, só ruas limpas ( a vida sem ser roubado nas Ramblas não seria pior, mas tinha uma história a menos ).