segunda-feira, março 02, 2015

Introdução à estética com máquinas de barbear e motas




Fui almoçar fora. Da janela de arco via a rua de sábado à tarde com toda a gente a vir das compras e do passeio dos tristes. Encostada à janela, do lado de fora, estava uma mota. Eu gosto de ver motas. Via-lhe o lombo, o selim, o tubo de escape, os manómetros. De esguia, no fundo. Enquanto almoçava, passaram muitas pessoas, e muitas delas paravam para ver a mota em detalhe. Homens e mulheres, novos e velhos, paravam para olhar a mota. E eu a vê-la de esguia só conseguia ver uma mota feia. Lembrei-me dos tipos da barbearia, que têm a placa que toda a gente só vê de esguia. E cada vez mais gente olhava para a mota. Eu da janela continuava a ver uma mota de esguia e não podia ver mais nada, só imaginava como poderia ser a frente da mota. À saida, passei pela mota e vi-a de frente. A mota não tinha nada de especial. Esqueci-me dela, já.
Depois esqueci-me também das pessoas da barbearia que está de esguia. Deviam usar placas que se vissem de frente. Assim ninguém perdia tempo a pensar que têm qualquer coisa de especial.

terça-feira, fevereiro 24, 2015

Morte de um turista, uma visão.

Visto da Graça:

As ruinas do convento do Carmo esboroam definitivamente na rua do Carmo, levando consigo metade da praça, incluindo o quartel da GNR. Cá em baixo, o incendio criado pelas fugas de gás derrete o elevador de Santa Justa, que tomba lentamente à rua da Prata, tapando a passagem dos bombeiros. A Fernandes arde de vez. 3 tuk-tuks são engolidos pelas chamas, um quarto escapa por pouco. Doze hostels da rua da Madalena são agora fogareiros a céu aberto, cuspindo faulhas que incendeiam o motor do Elevador do Lavra, que desgovernado destroi uma estátua da Avenida depois de arrasar o Solar dos Presuntos. O Ninho das Águias está em ruinas. O Cinema Condes é um Hard Rock Cafe. O Coliseu colapsa sob o seu próprio peso, depois de receber o ultimo sucesso do Spotify ao vivo. A Casa do Benfica tomba para cima da igreja dos franceses, que explode sem explicação. Destroços voam em todas as direcções, destruindo a estátua de Dom José, o Hospital das Bonecas e uma loja de recordações. Lá mais abaixo, o Terreiro do Paço é engolido pelo lodo do Tejo com tamanha força que leva consigo a feira de crafts de sexta e de domingo ao mesmo tempo. Um turista que estava a tirar uma foto a um broche bonito para por no instagram morre de ataque cardiaco.
Não há escombros a lamentar.

segunda-feira, fevereiro 23, 2015

Assalto com arma branca

Há muitos anos, era puto e ia para um concerto com um amigo meu, a pé. A atravessar uma zona mais isolada do caminho, dois manfios com mau aspecto metem-se connosco e cada um aponta-nos uma faca. Um deles agarra o meu amigo pelas costas e segura a faca a centimetros do pescoço. O outro diz-me para lhe dar tudo o que tenho se não queremos ter problemas. E eu só a ver facas. O tempo parou, fiquei com o estomâgo num nó, a garganta noutro, o coração a mil, a vista turva, a cabeça a ferver.
Hoje fico assim quando recebo um e-mail das finanças.

quinta-feira, fevereiro 19, 2015

Isto não é uma democracia

É fácil e simplista fazer a comparação assim, mas imagine-se uma operação. Um cirurgião, um anestesista, uma enfermeira. A folha de serviço diz que têm de tirar o baço ao tipo estendido na marquesa.

- Bisturi.
- Tem a certeza? não quer antes uma cureta?
- ... não. É mesmo um bisturi.
- ok, o senhor doutor é que sabe.
- Vou abrir.
- Cuidado aí.
- sim, vou abrir.
- doutor, olhe aqui um link com as "10 maneiras mais populares de retirar baços".
- eh, mas eu estudei isso. Na escola. Já sei o que vou fazer, não preciso de dados novos agora.
- tudo bem, só queria ajudar. O saber não ocupa lugar.
- ok, aí está o baço. Está cortado.
- Eu cortava mais abaixo. Ali, ó.
- Mas eu já cortei. Está cortado.
- Sim, mas eu fazia de outra maneira.
- Pois, mas está feito.

O processo do design também funciona assim.

terça-feira, fevereiro 17, 2015

É carnaval, queria um feriado


Fui ao Intendente.
Encontrei 23 putas.
Tirei-lhes uma lágrima para analizar.
Coca.
Tirei mais 2 lágrimas.
Perfume do chinês e coca.

Olhei de lado e olhei de frente
Eram mesmo do intendente.
Fui mais além e colhi
lágrimas na cervejaria cheia de gente

para analizar.
Encontrei uma santola a chorar
Olhei-a de topo a fachada
de lado o acompanhamento.

mandei vir o sal e
as drogas usadas e tal
meteram tudo ao lume
mandei vir frio depois de cozer

saí ao martim moniz
não saquei lágrimas a negros
tenho mais que fazer.


Os fins de semana são pequenos

Os fins de semana parecem-me progressões geométricas. A proporção de farra / descanso está a ficar inversamente proporcional ao desejado, com a agravante que o descanso entra numa curva descendente a partir de certo número de horas em que o colchão passa a causar mais dores que alívio. Há-de chegar o ponto em que é mais vantajoso não me deitar sequer.