quarta-feira, julho 29, 2015

O Leão, um estudo com escala

Acho esta história do leão interessante porque toca em vários pontos sensíveis e insensíveis: Use-se uma escala linear de 0 a 100 para medir o que me estou a cagar para um leão em particular e poder-se-á ler um 74 nessa escala. O facto de lhe ter sido dado um nome deveria fazer diferença mas por hábito, limpo os animais das coisas que os humanos teimam em dar-lhes: nomes, emoções, valores. São bichos. Não são mais que isso. Por isso é que na escala linear de 0 a 100 para burrice absoluta, o caçador em causa está nos 90 e muitos.
Tenho de medir finalmente a escala da granularidade mediática, a importância disto: de 0 a 100, vivemos não sei bem onde, mas como estamos no começo disto da net, diria que nos 45, este tempo em que notícias de factos de cada vez menor impacto ( continua a ser um só leão ) conseguem atingir proporções gigantescas e poderão mudar realmente alguma coisa ( por exemplo, crianças nascidas em 2010 nunca vão imaginar que havia um tempo em que não havia polvos que adivinhavam resultados de jogos de futebol ) . Devia acrescentar-lhe outra dimensão para representar a lamechice.

terça-feira, julho 28, 2015

A insustentável leveza do estagiario

Aqui no trabalho há um monte de estagiários novos. De todas as teorias que ouço à volta dos estagiários - como alimentá-los, o que não podem comer, a que horas é mais indicado, se se lhes podemos ou devemos bater, se devemos dar-lhes pão de ló ou farinha sem gluten, se não podem comer muito senão ficam gulosos, se devem descansar mais ou menos que os outros, se devem ter prioridade para certo tipo de trabalhos - não consigo encontrar uma definitiva. Parece que são humanos, e como tal, multidimensionais. Não há um conjunto de caracteristicas comuns muito grande. É pequena, até: São novos. São relativamente parvos. Mais do que isto em comum, não encontro. A partir daí, não há formulas, porque tanto são capazes de feitos espantosos como das maiores burrices.
Trabalhar com gente é o inferno.

segunda-feira, julho 27, 2015

Mercados emergentes, um estudo


Ali ao pé de casa, abriu mais um café destinado a um público muito específico, mas em expansão. Conceptualmente seguidores da Ana Malhoa, antropologicamente situados entre ratos de ginásio e ratos de discoteca, grupos de casais modernos invadem o bairro. Normalmente vistos na Venda do Pinheiro e no Pacha Ofir, bisontes tatuados e porn-stars de selfie-stick estão agora a chegar à cidade.
Os ingredientes para os atrair são simples: Estética de videoclip de Hiphop, papel de parede com efeitos, preto ou branco. Umas cadeiras de plástico/vime com uma forma inusitada e candeeiros com leds tipo tunning, musica da orbital / lounge de pacote ( estes deram-se ao trabalho e ainda alcatifaram o passeio com um tapete vermelho ). O desafio é equilibrar estes elementos de forma a, com um orçamento (demasiado) baixo, se crie a ideia de que ali há uma sofisticação à parte dos restantes cafés de rua, uma espécie de pedantismo-de-carrinhos-de-choque, que afasta quem gosta só de beber um café em paz sem ter a mania que é esperto simultaneamente.
Conseguiram uma clientela fixa em pouco tempo.

segunda-feira, julho 20, 2015

Século 21

Esqueçam internet por fibra óptica, wireless, computadores, tablets, Smart TV, micro-ondas, video-calls, internet-of-things, NFC, telecomandos, tudo com bluetooth e essas tretas. A revolução tecnológica real chegou lá a casa agora.
Tenho em casa a tecnologia que me permite ter mais tempo livre, livrar-me de tarefas próprias de países subsaarianos e passar mais tempo no sofá.
A máquina de lavar louça ganha o prémio de gadget do ano.


quarta-feira, julho 15, 2015

Tenho mesmo dificuldades em acreditar nisso do Futuro


Essa cena do gin. Epá, não me chateiem com o gin e com as tretas do gin.
No fim de semana fui a casa dos meus pais para a tradicional almoçarada e fui ao bar ( nos anos 70 toda a gente tinha um bar ) confirmar uma memória de infância: sim, tinham copos de gin, colheres de gin, shaker, garrafa de gin, as tralhas todas para cocktails. Nunca vi um em casa. Toda a gente lá em casa fartou-se dessa treta rapidamente - eu não me lembro daquilo ser usado lá em casa - como qualquer outro hábito que surge por moda, pressão dos pares, falta de imaginação e não por gosto.