sábado, maio 02, 2015

Não posso continuar com isto

Acordei Sábado passado com o despertador. Levantei-me, estiquei-me, olhei pela janela as traseiras dos prédios vizinhos a fazer de aldeia, com limoeiros e estendais, vi o tempo e fiz 10 flexões. Comi um pequeno almoço substancial: cereais, sumo, café, ovos mexidos. Fiz a cama. Meti os sapatos de corrida, liguei o iPod e fui correr.
Subi para o alto de São João, meti-me lá em 3 minutos. A descer em direcção a Santa Apolónia, encontrei mais gente a correr, ultrapassei todos. Eram candidatos a presidentes da república. Dizem que dá azar.
Pisei um pombo inocente. Os ossos estalaram debaixo do sapato, derrapei como quem pisa um figo maduro cheio de nozes, mas safei-me: não fiquei debaixo de um carro - corro sempre no meio da estrada - e o pombo, agora repasto para condores dos andes, não sofreu. Cheguei ao Tejo. Paro para beber água mais à frente, ao pé da esquadra, enquanto vejo os candidatos à presidência a passar, agora um grupo maior. Atrás vão alguns reporteres e um carro vassoura. Devem seguir pelo rio, onde é mais plano, calculei. Resolvo subir Alfama e dar a volta ao castelo, passando pelas portas do sol, o chapitô, a Graça e a Senhora do Monte. Desço pela Baixa, subo o Chiado. Vou ultrapassá-los descendo pelo Adamastor, enquanto passam no Cais do Sodré. Quando cheguei à rua de São Paulo olhei para trás: Já são um grupo que deixo de conseguir contar. São muitos mais candidatos, já enchem a rua de lado a lado, já há reporteres recolhidos no carro vassoura, pisam-se restos de camaras de video e telemóveis, há algumas crianças a serem distribuidas para beijar, deitam-nas à berma, há vieiras com espuma de caril na berma também e pisei outro pombo. A cabeça abriu-se como uma ameixa de Santo António debaixo do meu pé, sem dizer um piu. Acelerei o passo até ao largo de Santos, mas só depois da D. Carlos I é que dou com pelo menos mais 3 multidões de apoiantes aos candidatos, agrupados por chusma, lobby e monopólio, hurros e vivas, cartelas, sms's e bidons de sangue de virgens para ofertar. Empurrei-os todos para o Tejo, afinal só vinha para correr em paz e já bastavam os candidatos. A custo lá se afogaram, nisto pisei um pombo terceiro, e é por isto que desisti de fazer corrida.

quinta-feira, abril 30, 2015

Ainda a tal empresa que não é de taxis

A tal empresa tem sido um buraco que atrai comparações, por vezes vindas de pessoas com algum caco e talvez alguma inteligência. Comparam uns que quando os carros apareceram, queriam proibi-los porque assustavam os cavalos. E comparam um fax com um email. E comparam a idade da pedra com a revolução industrial. Calma. A Uber ainda é só uma empresa.
Eu também gosto de fazer comparações ou ditar uns generalismos.
Mas evito. Caso contrário, podia dizer o mesmo que dizem dos taxistas - generalizando uma classe profissional inteira - o que muito boa gente diz dos professores, dos sindicalistas, dos funcionários públicos, da polícia, dos advogados, dos presidentes de camara, dos deputados, dos desempregados, dos pretos ou dos ciganos. Evito. É que não quero opinar à taxista.

terça-feira, abril 28, 2015

Em defesa do taxismo

Como utilizador profissional de taxis e blogger, sou obrigado a defender a honra dos taxistas face às notícias de hoje.

Um taxista é uma maneira de ser, não é um negócio.
Um taxista é a representação máxima do biscateiro. Também pode ser fadista, empregado de mesa e estudante ao mesmo tempo.
Um taxista é um realista. Vive num mundo cruel, habitado pelas personagens do Correio da Manhã.
Um taxista oferece um serviço imprescindivel em cada viagem, mostrando quão civilizados os clientes são.
Uma viagem de taxi é mais do que ir do ponto A ao B, é uma viagem a outro universo.
Durante uma viagem de taxi, já aprendi de tudo.
Um taxista desvenda, sem pedirem e sem pagarem mais, conhecimento empírico a tender para o infinito.
Um taxista pode responder à pergunta final.
Os taxistas sabem tudo.


Disclaimer: Uso taxis e gosto. Não tenho carro e não tenho medo de andar de taxi. Só às vezes. Deixo gorjeta quando não me dão um ataque cardiaco e não me enganam. Sempre que ando de taxi tenho algo para contar e as pessoas riem-se. Mas isso sou eu.

Ninguém deve ter reparado, mas a Uber foi proibida em Portugal, hoje. Neste post confirmo como sou um outsider: Trabalho em Startups mas não consigo aceitar o progresso por si só, estas coisas da esquerda progressista dão nesta esquizofrenia. Não tenho uma obsessão absoluta pela eficácia, especialmente a dos humanos. É que também sou um.
E aposto que amanhã há uma reportagem de meia hora na SIC com taxistas labregos.

sexta-feira, abril 24, 2015

Sobre-exposição e anestesia: um estudo

Estudo efectuado por mim durante anos revela dados impressionantes e uma verdade chocante:

99.5% das casas com gatos cheiram a gato


Os resultados são estrondosos e polémicos: ao contrário do que os donos das casas com gatos afirmam entredentes, as suas casas cheiram a gato. Inesperadamente, descobriu-se que os gatos cheiram a, mijo - e que até aqueles gatos que são referidos num contexto de "o meu não cheira, a sério.", cheiram a mijo. Este dado tem surpreendido donos de gatos, que insistem consistentemente numa mesma resposta: sim, na verdade os gatos cheirariam a mijo no ínicio de viver nas suas casas mas que esse cheiro terá "desaparecido com o tempo" e "deixou de cheirar". Neste estudo descobriu-se que a área do cérebro responsável pelo olfacto, a articulação de frases como "eu mudo a areia a toda a hora" e pela noçao de tempo fica danificada com o cheiro a gato ao fim de apenas 2 semanas de exposição. Foi com surpresa que durante este estudo se descobriu também uma casa com gatos que não cheira a gato, que se encontra a ser estudada e cuja localização se manterá secreta até ser descoberta forma de replicar o fenómeno.

domingo, abril 19, 2015

9 anos

Se isto não fechou até agora, nunca mais fecha.