quarta-feira, julho 19, 2017

Aquilo dos ciganos

Pequena introdução sobre racismo e brandos costumes: A minha avó, que era muito boa pessoa, dizia "não sejas judeu para o teu irmão" quando eu chateava o meu irmão e vice-versa. Nunca deve ter conhecido um judeu na vida e não devia saber nada em particular sobre judeus. Na minha imaginação, a ultima vez que ser judeu tinha sido um problema em Portugal ainda o Marquês do Pombal era vivo, por acaso. No entanto, a expressão pegou.

Nenhuma solução mágica que me lembre, mas tem de aparecer gente que promova o trabalho de desmontar as expressões racistas para serem deixadas de ser usadas como arma de arremesso de ambos os lados - Isto já soa a magia mas as palavras têm força, acho que tem de passar por aqui -  e simultaneamente trazerem números e factos reais, o mais transparentes possíveis, sobre os ciganos (e os não ciganos), onde vivem, como vivem, para que a ditadura dos politicamente-incorrectos-que-pode-sempre-dizer-o-que-entende-mas-vive-a-queixar-se-de-ser-reprimida-pelo-pessoal-politicamente-correcto se acalme e deixe toda a gente viver em paz.

Finalmente, pessoas que passam o tempo a invejar quem recebe o RSI e tem os tais Mercedes com um porta bagagens especial só para meter cheques da segurança social, estão à espera de quê? troquem de lugar com os ciganos.

Prezado não tem amigos ciganos, andou na escola com apenas 4. A sua mãe continua a falar na feira com um com quem estudou na primária, 30 anos depois. O seu pai explicou-lhe um dia como lidar com ciganos: "seja o que for o que te pedirem, oferece 10 vezes menos". Se tivesse de ir viver com ciganos ao lado, não via a vida a andar para a frente.

terça-feira, julho 18, 2017

Isto cansa

O tempo que perco com a estagiária não compensa o tempo que ela gasta a fazer uma tarefa simples. Eu buscar um café? 5 minutos. Estagiária buscar um café? 10 minutos. Eu pedir à estagiária para me buscar um café?

Primeiro tenho de lhe explicar o que é uma máquina de café. Depois descubro que tenho de lhe explicar o que é café. Depois tenho de lhe dizer onde estão as chávenas. E o açucar. E as colheres. E onde é que está a máquina do café. Se não tiver água, tenho de ir lá explicar como é que se põe água na máquina. Se encravar, tenho de desencravar eu. Teria provavelmente de explicar também o tamanho da chavena uma segunda vez. Só depois ela faz o café. Finalmente traz o café. 45 minutos passaram.

Um dia destes deixo de lhe pedir para fazer design ou trazer cafés metafóricos.

quarta-feira, julho 05, 2017

Tragédia.

Abri um pdf com um CV de um designer com a minha idade e li tudo o que ele fez ao longo dos ultimos 20 anos enquanto, sem querer, ouvia Yesterday dos Beatles.

terça-feira, julho 04, 2017

Haja paciência

Fazer grafittis não é arte e já não é sequer street art. É um pano de fundo, tão importante como aquela paisagem do relvado no Windows. Como todas as ideias baseadas no conceito de escala, descobre-se que quanto maior, quanto mais volume, quanto mais gigantesco, menos conteudo é necessário passar. Na street art já só encontro uma forma manhosa de ilustração isenta de conceito para consumo em grande escala. Há quem a faça bem feita, mas a destreza não passa além do fazer. É um virtuosismo bacoco, como caravelas feitas de fósforos, solos de guitarra de 20 minutos, bicicletas de arame ou punhetas. Um grafitti encerra-se e esgota-se em si mesmo.
Vejo-os a serem recorrentemente encomendados por camaras municipais e empresas. Se isso não diz muito sobre quanto os grafittis mudaram, desisto.