terça-feira, abril 28, 2015

Em defesa do taxismo

Como utilizador profissional de taxis e blogger, sou obrigado a defender a honra dos taxistas face às notícias de hoje.

Um taxista é uma maneira de ser, não é um negócio.
Um taxista é a representação máxima do biscateiro. Também pode ser fadista, empregado de mesa e estudante ao mesmo tempo.
Um taxista é um realista. Vive num mundo cruel, habitado pelas personagens do Correio da Manhã.
Um taxista oferece um serviço imprescindivel em cada viagem, mostrando quão civilizados os clientes são.
Uma viagem de taxi é mais do que ir do ponto A ao B, é uma viagem a outro universo.
Durante uma viagem de taxi, já aprendi de tudo.
Um taxista desvenda, sem pedirem e sem pagarem mais, conhecimento empírico a tender para o infinito.
Um taxista pode responder à pergunta final.
Os taxistas sabem tudo.


Disclaimer: Uso taxis e gosto. Não tenho carro e não tenho medo de andar de taxi. Só às vezes. Deixo gorjeta quando não me dão um ataque cardiaco e não me enganam. Sempre que ando de taxi tenho algo para contar e as pessoas riem-se. Mas isso sou eu.

Ninguém deve ter reparado, mas a Uber foi proibida em Portugal, hoje. Neste post confirmo como sou um outsider: Trabalho em Startups mas não consigo aceitar o progresso por si só, estas coisas da esquerda progressista dão nesta esquizofrenia. Não tenho uma obsessão absoluta pela eficácia, especialmente a dos humanos. É que também sou um.
E aposto que amanhã há uma reportagem de meia hora na SIC com taxistas labregos.

2 comentários:

sal disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Linda Porca disse...

Tão bom, este texto :)
Eu temo alguns taxistas, mas a regra é ser bem tratada.