quinta-feira, agosto 05, 2010

Lambert bashing II

Acordo cedo, com a luz lânguida e gentil a entrar na fresta da janela, a escorrer pela parede branca, clareando aos poucos o quarto já de si branco-yoko-ono. Vejo os estuques antigos carcomidos pela tinta, ouço o trote rebolado dos gatos no corredor, enquanto perseguem uma bola de papel, sôfregos. Lá fora, os pombos no telhado arrulham. Brisas de ar fresco lambem-me os pés.
Se tivesse acordado no Lambert, diria apenas "foda-se, já são 11 da manhã. Caralho p'ra esta merda não se ouve nada que me acorde, nem um cabrão de um pombo".

4 comentários:

Cuca disse...

eh pá...isto até chegar ao último parágrafo estava a parecer Joyce.

Prezado disse...

"Joyce". Não penses que tomo essa comparação como um exagero, é preciso saber aceitar o elogio. Mesmo a custo.

Capitu disse...

Eu acho tão lindo! Ó cuca ... pobre Joyce.

Prezado disse...

Pitu, se eu serei um novo Joyce, imagina o que será a Margarida Rebelo Pinto.