domingo, setembro 28, 2008

Catacumbas

Metal. Strob.
Som indescritível de mau e alto.
Musica Industrial a metro, da pior.
E logo à entrada, gajo barrigudo de camisola de licra às riscas horizontais. Nazi. Logo a seguir, gajo gigante, careca, tatuagem de caveira no topo da cabeça, género kippa. Nazi também. Mais umas réplicas de Eldritch's, com a teatralidade a combinar: basicamente namoram com a bola de espelhos, feitos traça, 2 à frente, 3 atrás. Metem as mãozinhas trémulas a apoiar a cara, de olhos fechados a ver-se o guyliner.
Mas afinal o alinhamento da noite não era para eles. Começam a ouvir-se musicas de há 10, 15 anos. Quando ainda tinhamos guedelhas compridas, estudávamos pouco e levávamos walkmans para as aulas, e as cassetes eram rebobinadas com uma Bic preta, para poupar pilha (se a Bic fosse azul também dava, mas os desenhos não ficavam tão bem) . O pessoal mais novo, ainda a respeitar o visual, ainda guedelhudo, delira: põe a mão na coxa, em posição de desafio, e desata a agitar aquela trunfa gigante. No meio de todo aquele caos, de repente, há aquele cheiro intenso a Organics no ar... E é aqui que se vê a diferença entre gerações...

1 comentário:

caos da teoria disse...

Na nossa altura (na minha altura) era "dimension". O primeiro champoo 2 em 1. Feito à base de oleo fula e limão. Um must. (não me lembrava das cassetes enroladas pela bic preta...)

:)