quarta-feira, março 23, 2011

Mea culpa

Faz-se tempo e o tempo quando é feito é de usar antes que se estrague. Quero aproveitá-lo enquanto é fresco para me retratar. Falo-ia de bom grado a pastel mas caga-me o ecran todo.
Quero aqui pedir desculpas aos meus vizinhos: Desculpem-me pelos impropérios berrados a qualquer hora do dia ou da noite. Percebam - e com isto não estou a diminuir a minha culpa - que os gatos fazem parkour nas minhas pernas, pisam e comem e cospem na minha comida. É duro, por vezes. Quero pedir desculpas ao Sócrates por não ter votado nas ultimas eleições. Percebi agora que há soluções políticas de compromisso, mas não é compromisso com ele lagarto lagarto conluio com o poder é que não.
Quero também pedir desculpas por ainda termos Pedros Passos Coelhos, Paulos Portas e afins, um país com tanta tradição em inquisições, expulsões e repressões e dá nisto foda-se.
Quero pedir desculpas ao Louçã por tê-lo incomodado com o meu voto, mais do que uma vez.
Quero pedir desculpas ao Cavaco por lhe ter chamado tantos nomes quando era míudo e também por o ter feito continuada e mais fortemente desde essa altura.
Quero pedir desculpas à minha mãe por ter pegado fogo ao urso de peluche que estava em cima da cama em 1979.

9 comentários:

Margarida disse...

Tanto pedido de desculpas... Acho que os senhores teus vizinhos até te poderão perdoar... Bem como a tua mãe (pegar fogo a um peluche...que estava em cima da cama??!)... Quanto aos restantes senhores, não me parecem que pensem, sequer, no teu pedido... Estão muito ocupados neste momento...

Beijinho :)

Xuxi disse...

A tua primeira frase é tudo. O resto é feito adornos.
A tua "nova casa" if you wish so está à tua espera para a veres. Lá os vizinhos cagaram-se em tudo podes fazer o berreiro que quiseres. Ela(casa) já desculpou tanto a tanta gente... e nas entremeadas que caem na brase há tanta gente que nunca pediu desculpas...
Ps- já que tás numa de pedir desculpas e de avés, pede mas é desculpas por não teres ido ter à Casa do Alentejo, perdeste uma noite dos outros tipos...

Crente disse...

Os teus gatos gostam mesmo de ti...
E já cá andavas em 1979?

Quanto ao resto, não peças desculpa, que eles também não.

Prezado disse...

Eu sou da idade do tempo.

Crente disse...

Ia perguntar quanto tempo é isso, mas depois lembrei-me da lenga-lenga e achei melhor não. Vou só fingir que és intemporal. É mais "bem".

Prezado disse...

Já me começam a conhecer. Fico comovido.
Mas não.

Crente disse...

Chicoteio-me?

Prezado disse...

Não quero sangue no layout.
Usa um silício. Assim a dor é constante mas não incomoda ninguém.
Posso dar uma caixa de klinéxes.

Crente disse...

Não trato já disso porque me f...ura as meias todas. Mas fica para amanhã, prometo.