terça-feira, maio 28, 2013

Taxismo, nível avançado

Desde há anos que desenvolvo uma técnica de conversação com taxistas. De modo a vencer a dificuldade em fazer conversa de circunstância ( dá jeito naqueles minutos que antecedem uma entrevista ou quando estamos a espera de um elevador), fui trabalhando esta difícil arte que faz a ponte entre todo o tipo de humanos, do mais rico ao mais pobre, do mais letrado à mais ignorante das bestas ( Marinho Pinto incluído ), de modo a tornar uma viagem de 20 minutos numa viagem pelo surreal. Aprendi a falar do tempo, de como está permanentemente "maluco". De futebol, sendo que o pouco que sei é que o Cardozo e o Jesus são do Benfica, que o Porto é uma cambada de putanheiros corruptos e que o Sporting perde sempre. Este ano também notei que o Benfica perde tudo à ultima da hora. Em termos de foda, é a clássica técnica do pontapé no balde. Só isto basta para conversar horas com um taxista.
Um dia destes apanhei uma figura que insistia muito no mesmo tema, a sua honestidade. Um taxista gosta de falar da sua honestidade versus a desonestidade dos outros taxistas no universo, está estudado. Mas este tinha uma fixação no tema ( eu deveria ter dito qualquer coisa que o descansasse, tipo "Ainda bem que ainda há pessoas honestas") e continuava a confirmar como era honesto por discutir o caminho a tomar para chegar ao destino.
Já estava cheio de o ouvir, mas tinha solução. Aqui entra o que acho que é o nível final de taxismo, que é conseguir deixar um taxista calado:
Aproveite-se uma aberta ou um tema que se possa usar como gancho para outra conversa e explique-se, por exemplo, como funciona uma empresa de entregas com carros orientados por GPS e como a rentabilização das entregas é definida por computador utilizando um algoritmo que já não se limita a calcular o caminho mais curto ou rápido, mas o caminho mais económico, tomando em conta o número de paragens em semáforos e trocas de faixa, mantendo o carro sempre em andamento, ainda que lento, mas poupando combustível. E assim a cara do taxista ficou semelhante à cara de que faço quando perdem tempo a explicar-me que os pretos deviam ir para a terra deles.

10 comentários:

wapy disse...

Este texto fala comigo a um nível profundo.

zozô disse...

Mas tens sorte nessa diversidade de temas debatidos. A minha conversa com taxistas resume-se a: "Então a menina está cá a estudar, não é verdade?". E eu, muito sorridente, com o inconsciente elogio: "Sim, sim!". Mesmo que isto não seja verdade há quase uma década. (Neste caso a desonestidade é minha, não do taxista, portanto.)

Maria Papoila disse...

Tenho saudades de taxistas...

POC disse...

Deve ser duro ser taxista :)

Mak, o Mau disse...

Eu da última vez que tive que ir para o aeporto de madrugada apanhei o neo-taxista, uma espécie de libertador das convenções que abomina os velhos taxistas, que não só mania que sabem tudo como "foderam esta merda toda", em relação ao seu próprio negócio.

Para além de um estudo profundo sobre essa matéria, evoluiu também sobre velhos que conduzem com boné (o chamado "caçador da horta do Cacém" segundo ele), o fluxo de gente que entra num táxi de madrugada e a influência do estado do tempo no volume de negócios. Tudo isto no espaço de dez minutos e com pouco mais que "Pois" e "hum-hum" da minha parte.

É esse o taxista que eu gosto, auto-suficiente mas com temas relevantes.

POC disse...

"Caçador da horta do Cacém"? Já ganhou.

Luna disse...

juro que ainda nao tinha lido isto quando postei. :P

Prezado disse...

Geralmente os temas são mais desinteressantes. Prefiro o pessoal do campo em paz com a vida, se bem que para eles sabedoria é conhecer todos os bares de alterne.

O termo "caçador da horta do Cacém" parece-me um achado.

Pregoaria Nacional disse...

A viagem mais alucinante da minha vida, resumida nas duas melhores frases. Percurso do Hospital Pulido Valente para a Ajuda:
"Os médicos de manhã quando chegam ao hospital deviam ajoelhar-se à cabeceira de cada doente e rezar." + "Para se deixar de fumar o que se deve fazer é guardar as beatas todas do dia e, antes de deitar, esfregá-las nos dentes e ir dormir. Repetir de manhã".
Estive a viagem toda à procura da câmara dos apanhados, mas não havia...

Pregoaria Nacional disse...

A viagem mais alucinante da minha vida, resumida nas duas melhores frases. Percurso do Hospital Pulido Valente para a Ajuda:
"Os médicos de manhã quando chegam ao hospital deviam ajoelhar-se à cabeceira de cada doente e rezar." + "Para se deixar de fumar o que se deve fazer é guardar as beatas todas do dia e, antes de deitar, esfregá-las nos dentes e ir dormir. Repetir de manhã".
Estive a viagem toda à procura da câmara dos apanhados, mas não havia...