quarta-feira, março 21, 2012

Empreendedorismo

Não, ninguém vai notar, garanto
Esta palavra na moda anda a chatear-me a molécula deveras. Quando temos uma língua que é especialmente boa no que toca a palavras - tem muitas - , nos últimos tempos vejo esta ser usada no lugar de umas quantas outras, por exemplo, inconsciente, decidido, teimoso, corajoso, aldrabão, senil e mais umas quantas que definem apenas maneiras de ser ou posturas. Não, não acho espetacular um biólogo marinho ser produtor de caramelos ou um arquitecto passar a ser agricultor. Um arquitecto passar a ser agricultor, parece-me, é perder dinheiro, por n razões que nem perco tempo a enumerar agora. Parecem-me demasiado óbvias. Se estiver parado também perde? claro.
Só queria, mas é raro isto acontecer a não ser numa daquelas rubricas perdidos-e-achados-10-anos-depois, ver o que é feito dos empreendedores promovidos nestes tempos. É que estou mesmo cheio de  ouvir wannabes.

16 comentários:

São João disse...

Cheio de razão, infelizmente agora virou moda. As "notícias" deste género deviam ser obrigadas a um "perdidos e achados" 1 ou 2 anos depois. É a imprensa cor-de-rosa da economia.

Izzie disse...

Li o título, vi a fotografia, e larguei logo uma gargalhada.
E, de resto, cheio de razão.

Clara disse...

por favor explica-me o que é aquela nova rede social. o meu computador nem consegue abrir aquilo.

trollofthenorth disse...

Essa é uma palavra maldita por estas bandas. E ainda na semana passada tive uma formação de coaching em que levava com essa palavra de 5 em 5 minutos. Masé pó c...

Prezado disse...

São João, para estes gajos fazer coisas é tão genialmente genial bom mesmo pá que basta fazer, nem precisa de ser bem feito.


Izzie, A quantidade de gente que apanho a dizer "eu faço isso, sim" está a assustar-me cada vez mais. É que ninguém acha que FAÇO é diferente de tento-fazer.

Clara, é como vês. Se abrem uma rede social esperando que se perca muito tempo a instalar tretas... A minha resposta para isto é sempre a mesma: "ah, então por que razão não irei ali à rede social do lado, mais rápida?" Foi por isso que entrei no second life 3 vezes.

Trollofthenort, O pessoal das televisões realmente precisa de soundbytes e tal, mas está a começar a ficar ridículo. Precisamos é de gente que saiba gerir o que temos, não é de gajos que não saibam gerir coisas novas.

António P. disse...

Pois é, caro Prezado...e mais aparecerão.
Abraço

Mr. Whitenoise disse...

É isso e gajas no facebook a venderem bijuteria feita em casa.

Prezado disse...

Isso pra mim é o empreendedorismo real e possível no país. Dá frutos. Não dá prejuizo, não lixa ninguém. Mas, não podem chamá-lo de empreendedorismo, há mais termos para isso. Isso é fazer umas coisas.

Anna Blue disse...

Concordo na essência. Ainda assim prefiro este discurso do empreendedorismo polvilhado de wannabes do que o velhinho discurso derrotista tipicamente português a dizer que a culpa é dos mercados e que mais vale estar quieto e viver dos subsídios e patati patata. Até porque quero acreditar que de entre todas as ideias fabulásticas que surgem, algumas efectivamente até irão ter sucesso, mesmo começando com muito amadorismo.

Prezado disse...

Anna, Gente capaz, a viver de súbsidios, há-de haver sempre. Mas também há muita gente, que vejo por aí, a tentar todo o tipo de ginásticas e a trabalhar de borla para não ficar parada ( vide Prezado ) e a achar que subsídios são para quem precisa deles. Eu quero acreditar nessa questão do amadorismo no começo, cada vez mais. Mas o tal mercado não quer saber muito de amadorismo ou profissionalismo. Pelo que vejo, - pode ser que seja uma crença minha - a forma de poder vingar é investindo com dinheiro. Porque só ideias, neste momento, há de sobra.
E sim, a culpa é do mercado.

Anna Blue disse...

Infelizmente não é crença. A minha experiência também vai nesse sentido.

Jibóia Cega disse...

Só tenho pena que nao haja outro tipo de empreendedores, se é que me entendes.

calhou calhar disse...

buzzwords. não posso com elas.

Prezado disse...

Vão-se arranjando... Mas é complicado.

Rita Maria disse...

A propósito, leste este post do Anão gigante?

Prezado disse...

Rita,

Por acaso escapou-me, esse tipo só escreve coisas que gosto de ler, não consigo apanhar todas.

Já li e assino por baixo. Tivesse eu um fio de pensamento e escreveria aquilo. Acrescento que a dita peça da SIC, vi-a, e os artistas intervenientes conheço-os por travessas meias. Tudo se confirma, sim.