domingo, junho 13, 2010

Estas são as opções

Reparei há bocado que tenho de colmatar umas grandes faltas culturais. Nem sei como é que tenho vivido bem comigo, sabendo que me faltam

Uma ida à ópera

Não sou minimamente entendido, mas a música é um interesse de familia. Ouvir grandes vozes ao vivo é genial.


Um Jogo de futebol
Pois, nunca fui a um jogo de futebol. Não conheço muitos cromos da bola e a vontade que tenho de descobrir mais sobre o fenómeno esvai-se cada vez que ouço o preço de um bilhete. Chulos!


Uma revista à portuguesa

É curiosidade mórbida, no pior sentido. Muito provavelmente ia passar mais tempo com vergonha alheia do que a apreciar o espectáculo. Ia encontrar muitos taxistas por lá, pelo menos.

20 comentários:

S* disse...

Sabes que a Revista tem o mesmo efeito sobre mim?

Aquelas piadas sem graça a roçar o brejeiro envergonham-me sobremaneira

Liquidambar disse...

Para além dessas posso juntar mais uma: touradas. Dizem que é cultura...

Tulipa disse...

A mim falta-me a revista à portuguesa...

Dora disse...

Gajo que é macho não vai à revista. Muito abichanado. Estás safo! :-)

Prezado disse...

@Dora

Revista, abichanado?

Nem pensar. Revista é de machão reaccionário. Abichanado são ciclos de Ionesco na Barraca.

@Liquidambar

Há quem diga que é tortura...
Eu já fui a uma, há 30 anos atrás. Não dou tempo de antena nem dinheiro a esses senhores. Só os forcados é que têm o meu aplauso.

Dora disse...

Não sei, não. A mão na anca é a mão na anca.

Pipoca dos Saltos Altos disse...

Falta-me ir à ópera. As outras duas não alteraram nada na minha vida, really.
A Revista, quando bem feita, saca-te algumas gargalhadas, é a sátira do povo, uma bimbalhice que não deixa de ter umas verdades escondidas aos mais desatentos. Acho que sim, que devias ir.

Fernando Lucas disse...

Opera, já fui a algumas mas sempre bem escolhidas. Faz estranheza ver as pessoas quietas a ouvir a Tosca ou Carmina Burana.
À bola também já fui, e gostei mas nunca paguei para ir, nem nunca vou pagar.
Revista gostava de ir, os textos da revista são universais e bem esgalhados, as pessoas ditas "cultas" é que acham que tudo que é para o povo é mau. o humor nem todo é Monty Pythoniano.

Prezado disse...

Desatentos como, Pipoca?
Até parece que há alguma subtileza na revista :D


A revista, não dúvido que me faça rir, o tipo de humor é acessível a todos e não há muito a dizer sobre isso. O que me faz comichão é a previsibilidade dos textos. A única coisa imprevista é a inoportunidade de algumas cenas brejeiras gratuitas.
Eu que gosto de Gil Vicente, vejo ali as mesmas personagens repetidas ad inifitum.

Mak, o Mau disse...

Done, done, done.


Mas, por outro lado, nunca vomitei por causa do álcool...

São os mistérios da vida.

Cuca disse...

Falta-me o jogo de futebol e acho que vai continuar a faltar durante muito tempo.
A revista pode ser muito giro desde que se vá com o estado de espírito certo. Que é, precisamente, o estado de espírito oposto ao da ida à ópera.

Prezado disse...

Mak,

Isto são actividades que se aconselham a gozar, por motivos díspares, completamente sóbrio. umas pode-se adormecer, outras fica-se agarrado à louça de Sacavem ao fim de meio minuto.

Fernando Lucas disse...

Cuca, em relação ao espírito da opera e da revista. Mas não sei se sabes mas a Opera é um tipo de revista, e revista é um tipo de opera, ambas são peças de teatro cantadas, e a opera também já foi para as massas populares.

Marlucinha disse...

check, check, check!
E uma ida ao strip? Brejeiro por brejeiro, cagas na revista!

Prezado disse...

eh, ora aí está outra falha. Nunca fui a um peep show.

Capitu disse...

Imagina só o painel: Odete Santos e Marina Mota.
Achas que à terapia que consiga tratar os efeitos disso?

Prezado disse...

não sei bem se à, mas pode ser que haja.

Capitu disse...

Desculpa lá, mas aver terapia para isso é das coisa mais bonitas que à. Podemos é não encontrá-la~. Se a encontrásse-mos isso sim seria grandioso.

Prezado disse...

tentas-tes encontrár-lá no sitio errado, secalhar.

Capitu disse...

O meu chefe dis: «olha lá zezinha, não achastes que aqui o tio teve bom gosto?» (ipses verbes)
E eu respondo «achastes, achastes.» (idem, ibidem)