quinta-feira, julho 22, 2010

A jola no Galeto

O Galeto visto de fora, sem aquele quadriculado de preto e dourado, não é menos estranho. É ponto de encontro de pares estranhos, como o indiano e a senhora da mini-saia justa. Deixa entrar a cavalona vestida de branco que estremece o chão de mármore com os saltos altos. Dá de beber aos estrangeiros que andam perdidos à noite, à volta dos hotéis à volta. Abriga velhos que lá vão ler o jornal há 30 anos. Atura os miúdos de 19 que insistem em discutir o sentido da vida. E as moças acima referidas, são putas, sim.

8 comentários:

Cuca disse...

Tem uma tosta maravilhosa com cebola frita, ovo, frango e outra coisa qualquer. Tenho saudades de ir ao galeto ter conversas estúpidas nos dias em que saía do trabalho demasiado tarde para jantar num sítio normal.

Mak, o Mau disse...

Mais um mito que cai. Sempre pensei que fossem religiosas de folga.

Prezado disse...

Mak,

As malhinhas brancas pelas costas estavam a deixar-me confuso, porque só pareciam meretrizes da saia para baixo.

Pipoca dos Saltos Altos disse...

Para a semana alinhas?

Mak, o Mau disse...

Meretrizes da saia para baixo parece-me um bom conceito.

Isso é galdérias da língua para fora.

Mak, o Mau disse...

Ou isso e.... se preferires.

Prezado disse...

Pipoca,

Já tas a dever 16 jolas, a esta altura.



Mak,

Também gostei do conceito, minimal, clean.

bolo de arroz conceptual disse...

muito bom Prezado